Spitfire Mk.I Early "Profipack" - 1/48 - Eduard # 82152
Escrito por Amilcar "Mobi" Mesquita Jr   
Ter, 11 de Maio de 2021 00:10

82152 spitfire (1)

Eduard # 82152

No início dos anos 30, a Royal Air Force (RAF) estava procurando a substituição de seus velhos caças biplanos como o Hawker Fury. A necessidade de aeronaves consideravelmente mais rápidas era óbvia, pois os hidroaviões monoplanos de corrida daquela época, lutando pelo famoso Troféu Schneider, atingiam cerca de duas vezes a velocidade do Fury. Um dos mais bem-sucedidos projetistas de hidroaviões de corrida foi Reginald J. Mitchell. Sua melhor criação, o Supermarine S.6B, elevou o recorde mundial de velocidade para 407 mph (655km/h), em 20 de setembro de 1931, e o Ministério da Aeronáutica Britânica, sob a influência de tal conquista, emitiu a Especificação F.7/30 em outubro de 1931 , para avião de caça moderno capaz de atingir pelo menos 250 mph (400 km/h) de velocidade máxima. Contrariamente à demanda, sete das oito propostas eram novamente biplanos. A única proposta de monoplano era o Supermarine 224 de Mitchel, mas o design com uma asa de gaivota, trem de pouso fixo e motor Rolls-Royce Goshawk foi uma decepção em muitas áreas, sendo a velocidade máxima uma delas. O biplano Gloster Gladiator foi declarado o vencedor e a RAF teve que esperar um pouco mais por seus caças monoplanos. O fiasco com o Tipo 224 não impediu Mitchell de continuar trabalhando. Em vez de desenvolver o 224, ele persuadiu a empresa Supermarine a financiar o design completamente novo do Type 300, usando o novo motor Rolls-Royce PV12, mais tarde conhecido como Merlin. O Ministério da Aeronáutica manifestou interesse e emitiu a Especificação F.37/34, em 28 de dezembro de 1934, para financiar o protótipo armado com quatro armas.

No início de abril de 1935, Mitchell recebeu o detalhe da Especificação F.10/35, pedindo oito armas. A mudança foi possível, mas apenas no custo de remoção do fornecimento de bombas e redução da capacidade geral dos tanques de combustível. A decisão causou as chamadas "pernas curtas" do Spitfire, o que significa uma falta de alcance e resistência. O Type 300 realizou seu vôo inaugural em 5 de março de 1936. O protótipo K5054 decolou do Aeródromo Eastleigh com o piloto de teste-chefe Capitão Joseph "Mutt" Summers nos controles. Após cerca de oito minutos, o piloto ficou tão impressionado que disse: "Não mude nada!". Em julho de 1936, o protótipo completou seus testes iniciais em Martlesham Heath com sucesso e durante dezembro conduziu outros testes agora com seu armamento completo de oito metralhadoras Browning de 0,303 pol. (7,7 mm) instaladas. Em março de 1937, um problema com o armamento surgiu, pois as armas congelavam em grandes altitudes. Demorou até outubro de 1938 para introduzir um sistema eficaz de aquecimento por arma, usando o ar quente do radiador ampliado de estibordo sob as asas. A modificação foi incorporada a partir do 60º Mk. I produzido e adaptado para os aviões anteriores. O contrato inicial para 310 Spitfires foi assinado em junho de 1936 e a primeira unidade a receber os novos caças (em agosto de 1938) foi o No. 19 Squadron em Duxford. Na época em que a Grã-Bretanha entrou em guerra com a Alemanha (3 de setembro de 1939), a RAF já havia recebido 306 Spitfires servindo em onze esquadrões, no início de maio de 1940 mais oito esquadrões foram adicionados. Infelizmente, Reginald Mitchell não viveu para ver o Spitfire servindo nas unidades da RAF, já que ele morreu em 11 de junho de 1937, aos 42 anos. O fardo do desenvolvimento do Spitfire recaiu sobre Joe Smith. É justo dizer que a produção do Spitfire estava longe de ser suave, especialmente devido ao projeto complexo de sua asa elíptica, então vários subcontratados ajudaram a cumprir os pedidos. O primeiro combate aéreo entre Messerschmitt Bf 109s e Spitfire Mk. I ocorreu perto de Calais em 23 de maio de 1939, mas a primeira vitória aérea sobre um inimigo do Spitfire teve que esperar até 16 de outubro de 1939, quando nove Junkers Ju 88 atacaram navios de guerra da Marinha Real em Firth of Forth. Dois deles foram abatidos por pilotos dos Esquadrões Nos. 602 e 603. Meio ano depois, as forças alemãs lançaram sua ofensiva na Europa Ocidental e os Spitfires começaram a disparar suas armas com raiva e com muito mais frequência, quando a famosa Batalha da Grã-Bretanha estourou em julho de 1940. Embora o fardo de perseguição da Batalha foi principalmente no mais numeroso Hawker Hurricane, o Spitfire se tornou um ícone durante a batalha, pois ajudou o RAF Fighter Command a igualar a força com os Bf 109s da Luftwaffe. Em meados dos anos 30, acreditava-se que oito metralhadoras de pequeno calibre eram o melhor arranjo, mas a experiência da guerra provou que era inadequado contra bombardeiros multimotores com tanques de combustível autovedantes.

O desenvolvimento do Spitfire foi um processo contínuo desde o estágio inicial de seu serviço. Uma das primeiras atualizações principais foi a mudança de uma hélice de madeira de passo fixo de duas lâminas, ineficaz, para uma de metal de três lâminas começando da 78ª aeronave de produção (e adaptada às anteriores). O troca aumentou a velocidade máxima, elevou o teto e encurtou a corrida de decolagem. A partir de maio de 1939, é alterada a unidade de potência, passando do Rolls-Royce Merlin II para o Merlin III, com a mesma potência 1030cv (768kW) mas com melhorias de confiabilidade, permitindo a instalação de hélice Rotol de velocidade constante. Isso não apenas deu ao Spitfire, agora marcado como Mk.la, uma melhora na taxa de subida, mas também o tornou mais fácil de controlar. A partir do início de 1939, os Spitfires receberam um novo velame semi-bolha, melhorando a visão do piloto. Os primeiros Spitfires tinham uma mira simples, a partir de setembro de 1939 as miras refletoras GM2 foram instaladas. Uma questão muito importante era a blindagem, já que os primeiros Spitfires de produção não tinham nenhuma. Como primeira medida, o vidro laminado foi adicionado ao para-brisa. Em seguida, o tanque de combustível superior recebeu cobertura de liga leve com 3 mm de espessura, enquanto o inferior foi protegido pelo sanduíche Linatex (borracha e lona). Além disso, uma placa de aço foi instalada atrás do assento para proteger o piloto. A blindagem acrescentou algum peso. O primeiro Spitfire Mk.l de produção pesava 5.8191b (2639kg), atingindo a velocidade máxima de 362 mph (583km / h). No verão de 1940, o peso do Mk.l totalmente modificado aumentou para 61501b (2789kg) e a velocidade máxima diminuiu para 350 mph (563km / h). Mas, apesar disso, as aeronaves posteriores eram caças melhores do que os primeiros. Ao todo, além do poder de fogo bastante inadequado para a época e algumas outras carências resolvidas na hora, o Spitfire Mk.l provou ser um caça extremamente valioso. Havia 1.567 de todos os Mk.ls construídos. Este modelo representa as marcas Mk.la e oferece peças para aeronaves em várias etapas de seu desenvolvimento.

Fonte: Manual do Kit.  

82152 spitfire (2)

A Eduard iniciou uma série completamente nova de modelos do Spitfire Mk. I, na escala 1/48, com um molde novo de altíssima qualidade. O novo Spitfire Mk. Ia 1/48 apresenta alta qualidade da injeção, sem rebarbas ou falhas. Os detalhes são finos e adequados a escala. O interior da cabine de pilotagem é belamente detalhado, a superfície externa do caça é finamente detalhadas. As transparências são de ótima qualidade sem falhas ou distorções. O conjunto de fotogravados traz painel de instrumentos, cintos coloridos, detalhes internos e externos da aeronave. Acompanha também uma folha de máscaras para pintura do canopy. 

A série inicial Spitfire Mk.I - Os primeiros Spitfires foram o arauto de grandes momentos com esse design. Ainda no estágio de maturação, faltava um pouco de sua forma típica com hélice Weybridge de dois blocos de madeira e copa plana. Mas isso mudou bastanterapidamente, partindo da 78ª aeronave em série, o Spitfire recebeu três hélice De Havilland 5/20 de metal de dois passos com lâmina (adaptada também paraa aeronave anterior também). O movimento aumentou a velocidade máxima, elevou o teto e encurtou a corrida de decolagem. A partir doNo início de 1939, os Spitfires também receberam um novo dossel semiborbulhado, melhorando a visão do piloto. Os primeiros Spitfire Mk.Is de produção não estavam equipados com o aquecimento das armas a serem resolvidas, então eles não tinham o correspondente aberturas underwing. Essas primeiras aeronaves também tinham um estilo mais antigo "bi-fingered" tubo pitot e pára-brisa sem blindagem ou espelho retrovisor. Tudas essas variações estão incluídas no kit.

 

IMG 9136 IMG 9150 IMG 9152 IMG 9159
IMG 9165 IMG 9166 IMG 9170 IMG 9212
IMG 9156 IMG 9139

Os decalques das marcações e estênceis são de fabricação da própria Eduard, de ótima qualidade e impressão de alta resolução, representam perfeitamente as inscrições das 7 possíveis pinturas do lendário caça inglês. Como já verificado em outros reviews de montagem, os decalques da Eduard são finos, perfeitamente opacos e soltam-se da folha rápidamente após banhado em água morna. Fáceis de manipular durante a aplicação, não são quebradiços e aderem com perfeição.

 IMG 9138

O manual de instruções tem 20 páginas coloridas em papel couché, em formato A4, textos em checo e inglês, um breve histórico do Spitfire Mk. I, o mapa de peças, com a tabela de cores (referenciada com as tintas para a linha da Gunze Sangyo) e os símbolos de montagem. Logo após as instruções de montagem e o mapa de aplicação das máscaras de pintura, as ilustrações dos esquemas de pintura e o esquema de aplicação dos decalques e dos estênceis do avião, tudo muito claro e bem impresso. Clique aqui para ver o manual

Esta versão "Profipack" oferece 7 belas opções de pintura, são elas:

82152 spitfire (3) 82152 spitfire (4) 82152 spitfire (5) 82152 spitfire (6)
82152 spitfire (7) 82152 spitfire (8) 82152 spitfire (9) 82152 spitfire (10)

Conclusão

Com esta nova série do Spitfire 1/48, a Eduard apresenta uma nova sequência de modelos de primeira qualidade desse lendário e belo caça inglês. Recomendo tremendamente para modelistas de todos os níveis, pois a qualidade da engenharia de construção da Eduard facilita muito o trabalho de montagem do kit. 

Obrigado à Eduard pelo envio dos exemplares para review!

alt

 
 
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Clique nos links para ir a pagina.

Notícias e Reviews Anteriores

Ultimas do Forum