P-51D Very Long Range: Tales of Iwojima - 1/48 - Eduard # 11142
Escrito por Amilcar "Mobi" Mesquita Jr   
Qui, 10 de Dezembro de 2020 00:20

11142 z1

Eduard # 11142

 

 

O Avião

Operando a partir de três pistas na ilha de Iwo Jima, os Mustangs VLR (Very Long Range) do 7º Comando de Caça das Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos foram capazes de usar o alcance estendido do P-51 para voar para o continente do Japão em missões de escolta e ataque ao solo. Os 15º, 21º e 506º Grupos de Caças (FG) formaram essa força de P-51, frequentemente enviando mais de cem aeronaves para o Japão. Lutando não apenas contra o inimigo, mas também enfrentando duras condições climáticas, riscos ambientais da ilha, falta de informações de inteligência e suprimentos, os FGs perseveraram e contribuíram muito para a vitória no Pacífico. Além das 51 missões VLR ao Japão, suas operações também incluíram 171 missões de ataque às Ilhas Bonin e mais de 10.000 horas de Patrulha Aérea de Combate ao redor de Iwo Jima.

Em 7 de abril de 1945, a primeira missão VLR voou. Esta missão alcançou vários recordes históricos: foi a mais longa missão de vôo sobre a água para atingir um alvo, a mais longa missão já voada por Mustangs P-51 e a primeira vez que caças terrestres invadiram os céus japoneses. A missão em si era uma escolta de B-29s da 73ª Asa de Bombardeiro atacando a fábrica de motores de aeronaves Nakajima em Tóquio. Mais de noventa P-51 de ambos os esquadrões partiram de Iwo Jima e se encontraram com seu avião de navegação B-29, que os levou para a força de bombardeiros na costa do Japão. Os pilotos do Mustang ficaram com os bombardeiros, atacando aeronaves japonesas apenas quando ameaçaram os B-29s. Mesmo assim, marcaram 21 caças inimigos destruídos, sendo 6 prováveis ​​e 10 danificados. Apenas três B-29s foram perdidos: 2 por fogo antiaéreo e 1 por uma bomba japonesa lançada sobre a formação. Tanto o XXI Bomber Command, quanto o 17th Fighter Command ficaram muito satisfeitos com os resultados.
Pouco tempo depois, uma das piores perdas sem combate durante a guerra para os EUA ocorreu em 1º de junho de 1945. O objetivo era que todos os três grupos de caças fornecessem escolta para mais de 400 B-29s em uma missão de bombardeio à cidade de Osaka, Japão. 148 P-51 de todos os três grupos decolaram de Iwo Jima para se juntar a seus navegadores dos B-29 "Mother Hen" (Mãe Galinha). Cerca de 350 milhas em sua jornada, eles encontraram uma frente de tempestade monstruosa. Devido à incerteza da navegação dos B-29, um observador do tempo inexperiente e a pressão para seguir em frente com a missão, por causa de vários abortos meteorológicos anteriores, os Mustangs foram levados para a frente mortal. Ao final da catástrofe, apenas vinte e sete P-51 completaram a missão. Vinte e quatro pilotos e seus Mustangs foram perdidos, nenhum para o fogo inimigo.


Uma missão VLR típica era um substancial esforço combinado, que incluia vários ramos das forças armadas dos EUA. Cada missão começava com um avião meteorológico B-24 voando na rota 06 a 10 horas antes da missão, bem como um B-29 voando aproximadamente 100 milhas à frente da força principal para informar sobre o clima atual. Então, assim que os Mustangs decolavam, o navegador B-29 conduzia os P-51 para o Japão, pois a navegação de precisão em uma aeronave monoposto voando completamente sobre a água era impraticável. Vários P-61 "Black Widows" também atuavam como navegadores, voando cerca de uma hora ao norte de Iwo Jima para acompanhar os Mustangs até o ponto de encontro. Os B-24s também frequentemente participavam dessas missões como aeronaves retransmissoras de comunicações. Todas as aeronaves eram capazes de auxiliar no resgate ar-mar de pilotos abatidos. Ao longo da rota de Iwo Jima para o Japão e de volta. A Marinha dos Estados Unidos e o Air Sea Rescue do Exército coordenavam um mínimo de 5 estações de resgate. Essas estações seriam compostas de submarinos na superfície, nos dois ou três pontos mais próximos do Japão, detroiers nas estações restantes e aeronaves circulando no ar. Quando um piloto do Mustang descobrisse que não poderia voltar para Iwo devido a danos ou mau funcionamento da aeronave, eles seriam guiados para a estação de resgate mais próxima. Na última estação de resgate, quatro P-51 eram designados em cada missão para fornecer cobertura superior para o submarino na superfície, a cerca de 10 milhas da costa do Japão. Os B-29s navegadores circundaram a costa e esperaram até que estivessem entre 15 e 20 P-51 antes de iniciar sua viagem de volta a Iwo. Assim que os Mustangs se aproximassem o suficientemente de Iwo Jima, os P-61 s seriam novamente capazes de auxiliar na navegação, bem como os grupos de veículos anfíbios do Exército rondando as praias de Iwo Jima, prontos para qualquer piloto que tivesse que pousar perto da ilha.
Quanto à aeronave P-51 em si, todos os três grupos de caças voaram Mustangs blocos padrão P-51D-20-NA e P-51D-25-NA, com algumas modificações que foram feitas para aprimorar o avião nas missões VLR. A modificação mais visível e, indiscutivelmente, mais importante, foi o sistema de farol de direção "Uncle Dog". Dois mastros de antena para o adaptador AN / ARA-8 VHF foram instalados no dorso da fuselagem dos P-51. O mastro da antena de rádio AN-104-A normal foi então movido para a parte inferior da aeronave, centralizado na frente dos porões das rodas. O navegador do B-29 "Mother Hen" transmitia um sinalizador de e para o Japão, que o sistema do P-51 captava e convertia em um sinal de áudio que consiste na letra "U" ou "D", do Código Morse Internacional. Guiado pelo farol do transponder, o piloto girava sua aeronave para seguir um tom constante em seu fone de ouvido, de ambas as letras, para indicar que estavam em curso. O sinal também era transmitido de Iwo Jima, do topo do Monte Suribachi, para auxiliar na navegação até a ilha. As modificações do "Uncle Dog" foram feitas "em teatro" pelos grupos, com o último P-51 em Iwo recebendo a instalação em meados de junho de 1945. Este novo sistema exigiu algum treinamento para os pilotos.
Entre 7 de abril e 14 de agosto de 1945, um total de 51 missões VLR foram realizadas, com 41 sendo efetivas. Houve 9 abortos climáticos não eficazes e 1 reunião de escolta perdida. O clima foi um fator importante e, além dos 9 abortos da missão, muitas outras missões foram atrasadas ou alteradas antes que os P-51 decolassem. Embora cada missão VLR efetiva tivesse um tempo médio de vôo de 7,3 horas, mas exsitem relatos de pilotos voando mais de 8 horas e pousando com apenas alguns galões de combustível .

Fonte: Manual do Kit.

 

  P-51D

 

 

O Kit

A Eduard iniciou uma série completamente nova de modelos do P-51D Mustang, na escala 1/48, com um molde novo de altíssima qualidade. O novo P-51D 1/48 apresenta alta qualidade da injeção, sem rebarbas ou falhas. Os detalhes são finos e adequados a escala. O interior da cabine de pilotagem é belamente detalhado, a superfície externa do caça é finamente detalhadas. As transparências são de ótima qualidade sem falhas ou distorções. O conjunto de fotogravados traz painel de instrumentos, cintos coloridos, detalhes internos e externos da aeronave. Acompanha também uma folha de máscaras para pintura do canopy e um conjunto de peças de resina das rodas e dos suportes dos foguetes.

 

IMG 8633 IMG 8626 IMG 8640 IMG 8643
IMG 8637 IMG 8650 IMG 8657 IMG 8665
IMG 8667 IMG 8617 IMG 8586 IMG 8594

Os decalques das marcações e estênceis são de fabricação da própria Eduard, de ótima qualidade e impressão de alta resolução, representam perfeitamente as inscrições das 12 possíveis pinturas do caça americano. Como já verificado em outros reviews de montagem, os decalques da Eduard são finos, perfeitamente opacos e soltam-se da folha rápidamente após banhado em água morna. Fáceis de manipular durante a aplicação, não são quebradiços e aderem com perfeição.

 IMG 8584

O manual de instruções tem 28 páginas coloridas em papel couché, em formato A4, textos em checo e inglês, um breve histórico do P-51D, o mapa de peças, com a tabela de cores (referenciada com as tintas para a linha da Gunze Sangyo) e os símbolos de montagem. Logo após as instruções de montagem e o mapa de aplicação das máscaras de pintura, as ilustrações dos esquemas de pintura e o esquema de aplicação dos decalques e dos estênceis do avião, tudo muito claro e bem impresso. Clique aqui para ver o manual

Esta versão "Limited Edition" oferece 12 belas opções de pintura, são elas:

0001 0002 0003 0004
0005 0006 0007 0008
0009 0010 0011 0012

 

Segue na caixa do modelo um belo broche com o desenho da bolacha de um dos esquadrões VLR representado em uma das 12 opções de pintura do modelo. 

IMG 8588

 

Conclusão

Dando continuidade a esta nova série do P-51D, a Eduard apresenta mais um exemplar desta nova sequência de modelos de primeira qualidade desse lendário e belo caça americano. Recomendo tremendamente para modelistas de todos os níveis, pois a qualidade da engenharia de construção da Eduard facilita muito o trabalho de montagem do kit. 

Obrigado à Eduard pelo envio dos exemplares para review!

alt

 
 
 
 
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Clique nos links para ir a pagina.

Notícias e Reviews Anteriores

Ultimas do Forum